ANTI

ANTI – RELATIVISMO

Clifford Geertz

 

 

I

Dificilmente pode um intelectual encontrar melhor ocupação do que a de destruir um medo. Desejo perseguir o medo do relativismo cultural. Não o próprio relativismo cultural que, como a Transilvânia, não me parece que esteja com problemas, mas o terror que ele inspira, que acredito sem fundamento. E assim penso porque de fato não decorrem dele as conseqüências morais e intelectuais que comumente se lhe atribuem ─ subjetivismo, niilismo, incoerência, maquiavelismo, idiotia ética, cegueira estética, e assim por diante ─, sendo ilusórias, e tendo mais a ver com um conhecimento pasteurizado, as recompensas prometidas para que escapemos ao seu domínio

Para ser mais específico, o que quero não é defender o relativismo, que de qualquer forma é um termo esvaziado, um brado de guerra do passado, mas combater o anti-relativismo, que me parece em franca expansão e representa uma versão modernizada de um equívoco antigo. O que quer que seja ou tenha originalmente sido, o relativismo cultural (e não há um entre cem de seus críticos que o tenha compreendido corretamente) serve hoje em dia, em ampla medida, como um fantasma para afugentar-nos de certas maneiras de pensar e conduzir-nos a outras. Como me parecem mais convincentes as de que estamos sendo afastados do que aquelas para as quais estamos sendo impelidos, gostaria de fazer algo a respeito, permanecendo no âmago da tradição antropológica. Exorcisar demônios é uma prática que não deveríamos apenas estudar; mais exercitar também.

O estilo "através do espelho" do título deste artigo pretende sugerir mais um esforço de contrapor-se a um ponto de vista do que defender a concepção a que ele se contrapõe. A analogia que tive em mente ao escolhê-lo ─ analogia lógica, bem entendido, e não substantiva ─ foi o que, no auge da guerra fria (vocês se lembram), era chamado de "anti anticomunismo". Aqueles de nós que se opuseram incansavelmente ao que, de nosso ponto de vista, parecia uma verdadeira obsessão com a Ameaça Vermelha, foram então contemplados, pelos que a viam como o fato primordial da vida política contemporânea, com a insinuação ─ absurdamente incorreta na imensa maioria dos casos ─ de que, pela lei da dupla negação, tínhamos alguma afeição secreta pela União Soviética.

Insisto em que quero utilizar essa analogia num sentido formal. Não penso que os relativistas sejam como os comunistas, que os anti-relativistas sejam como os anticomunistas, e que alguém (bem ... dificilmente) esteja se comportando como McCarthy. Um paralelismo similar poderia ser feito com relação à controvérsia sobre o aborto. Aqueles de nós que se opõem ao aumento das restrições legais ao aborto não são, suponho, favoráveis ao aborto no sentido de pensarem que ele seja uma coisa maravilhosa e de sustentarem que quanto maior a taxa de aborto maior o bem-estar da sociedade; somos "anti antiaborcionistas" por razões muito diferentes, que não preciso desenvolver aqui. Nesse contexto, a dupla negação simplesmente não funciona da maneira usual, e é nisso que reside a sua atração retórica. Ela permite que se rejeite uma idéia sem que, por isso, nos comprometamos com o que é rejeitado por ela. É precisamente isso o que quero fazer com relação ao anti-relativismo.

Essa abordagem desajeitada do assunto, exigindo explicações e justificações à medida que se desenvolve, é necessária porque, como observou o filósofo-antropólogo John Ladd (1982, p. 161), "todas as definições correntes de... relativismo são construídas por oponentes do relativismo, são definições absolutistas." (Ladd, cujo tema imediato é o famoso livro de Westermarck, está se referindo particularmente ao "relativismo ético", mas o argumento é geral: para o caso do "relativismo cognitivo", pensem no ataque de Israel Scheffler (1967) a Thomas Kuhn; para o do "relativismo estético", no de Wayne Booth (1983) a Stanley Fish.). E, como diz Ladd ainda, o resultado disso, é que o relativismo, ou qualquer coisa que se lhe assemelhe sob essas definições tão hostis, é identificado com o niilismo (Ladd, 1982, p. 158). Sugerir que "fundamentos sólidos" para julgamentos cognitivos, estéticos ou morais, possam ser de fato inacessíveis, ou dizer que de qualquer forma aqueles que nos são oferecidos são dúbios, é ver-se acusado de descrer na existência do mundo físico, de tomar "grafitagem" por boa poesia, de ver em Hitler apenas um camarada de gostos não convencionais, ou mesmo, como me vi acusado recentemente, de "(não ter) política alguma" (Rabinow, 1983, p. 70). A idéia de que quem não concorda com as suas opiniões defende os pontos de vista reciprocamente contrários, ou simplesmente não tem opinião alguma, é no entanto uma idéia cômoda para os que temem que a realidade desapareça, a menos que acreditemos firmemente nela. Mas essa é uma idéia que não produziu muita luz na discussão anti-relativista. Apenas gente demais gastando tempo demais na descrição detalhada daquilo que não defende, ─ bem além do que pudesse ser de alguma forma proveitoso.

Tudo isto é relevante para a antropologia porque certamente foi através da idéia de relativismo, bastante mal definida, que ela mais perturbou a paz intelectual geral. Desde os primeiros tempos de nossa disciplina, mesmo quando a teoria em antropologia ─ evolucionista, difusionista ou elementargedankenisch ─ era qualquer coisa, menos relativista, a mensagem que se acreditava tivéssemos para o mundo era a de que, como as pessoas vêem diferentemente as coisas e fazem-nas de outro modo no Alasca ou em D'Entrecasteaux, a nossa confiança em nossas maneiras de ver e fazer as coisas e a nossa determinação de levar os outros a compartilhá-la, têm uma base muito pobre. Também este ponto é geralmente mal compreendido. Não foi a teoria antropológica como tal que fez com que o nosso campo parecesse um argumento maciço contra o absolutismo no plano das idéias, das questões morais e do julgamento estético. Foram os dados antropológicos: costumes, crânios, escavações e léxicos. A idéia de que foram Boas, Benedict e Melville Herskovits, com a ajuda européia de Westermarck, que contaminaram nosso campo com o vírus relativista, assim como de que foram Kroeber, Kluckhohn e Redfield, com um auxílio semelhante de Lévi-Strauss, que se esforçaram para nos livrar dele, não passa de mais um dos mitos que confundem toda esta discussão. Afinal de contas, Montaigne (1978, p. 202-214) pode tirar conclusões relativistas, ou que assim parecem, do fato de que, conforme ouvira dizer, os Caribes não usavam calças; ele não precisou ler Patterns of Culture (Padrões de Cultura, título de livro de Ruth Benedict, N.T.). Bem antes dele, Heródoto, refletindo sobre "certos índios de uma raça chamada Calaciana", entre os quais os homens supostamente comiam seus pais, chegou, como era de se imaginar, a conclusões do mesmo gênero (Heródoto, 1859, p. 61).

A tendência relativista, ou mais exatamente a propensão relativista que a antropologia tantas vezes induz naqueles que lidam constantemente com seus materiais, está assim de algum modo implícita no campo antropológico como tal: talvez particularmente na antropologia cultural, mas também em muito da arqueologia, da lingüística antropológica e da antropologia física. Não se pode ler muito sobre a matrilinearidade Nayar, o sacrifício Azteca, o verbo Hopi ou as convoluções da transição homínida, sem começar pelo menos a considerar a possibilidade de que, citando Montaigne novamente, "cada homem chama de barbarismo o que quer que não seja sua própria prática pois não temos outro critério de razão além do exemplo e da idéia das opiniões e costumes do país em que vivemos" (1978, p. 205, citado em Todorov, 1983, p. 113-114) (1). Quaisquer que sejam os seus problemas e por mais sutilmente que estes sejam expressos, esta é uma noção que provavelmente não irá desaparecer, a menos que desapareça a própria antropologia.

É a isto, progressivamente constatado como um fato, à medida que nosso empreendimento foi avançando e nossas descobertas foram se tornando mais circunstanciadas, que tanto os relativistas como os anti-relativistas, de acordo com suas sensibilidades, reagiram. A compreensão de que informações provindas de outros lugares ─ sobre casamento espiritual (ghost marriage), destruição ritual da propriedade, felação iniciática, imolação real e (Ousarei dizê-lo? Será que ele vai atacar novamente? ) sexo causal entre adolescentes ─ induzem naturalmente a uma visão das coisas do tipo "outros animais, outros costumes", foi uma compreensão que conduziu alternadamente a argumentos indignados, desesperados e exultantes, construídos para persuadir-nos a resistir ou a aderir, em nome da razão, a essa maneira de ver as coisas. O que parece um debate sobre as implicações mais amplas da pesquisa antropológica é na realidade um debate sobre como conviver com elas.

Entendido este fato, o "relativismo" e, o "anti-relativismo" são vistos como respostas gerais à maneira pela qual aquilo que Kroeber certa vez denominou como o impulso centrífugo da antropologia ─ lugares distantes, tempos distantes, espécies distantes ... gramáticas distantes ─ afeta nosso sentido das coisas. Assim, o conjunto da discussão fica melhor focalizado O suposto conflito entre o apelo de Benedict e Herskovits em prol da tolerância, e a paixão intolerante com que o fizeram, acaba por não ser a contradição simples que tantos lógicos amadores sustentaram que fosse, mas a expressão de uma percepção, causada por pensar tanto em Zunis e Dahomeys, de que, sendo o mundo tão cheio de mil e uma coisas, apressar-se no julgamento é mais do que um equívoco, é um crime. Da mesma forma, as verdades panculturais de Kroeber e de Kluckhohn ─ as do primeiro relacionadas principalmente com questões embaraçosas para as pessoas, como delírio e menstruação; as do segundo, com questões socialmente perturbadoras, como mentir e matar no interior do grupo ─ acabam por não ser realmente as obsessões pessoais e arbitrárias que tanto parecem ser, mas a expressão de uma preocupação muito mais vasta, causada por muito pensar sobre o anthropos em geral, de que se algo não está ancorado em toda parte, nada pode estar ancorado em lugar algum. Aqui, a teoria ─ se é assim que devem ser chamados esses diligentes conselhos a respeito de como devemos ver as coisas para sermos incluídos no rol dos decentes ─ é muito mais um intercâmbio de advertências do que um debate analítico. Estão nos propondo uma escolha de preocupações.

Os assim chamados relativistas querem que nos preocupemos com o provincianismo ─ o perigo de que nossas percepções fiquem embrutecidas, nossos intelectos limitados e nossas simpatias estreitadas pela atitude de aceitação do que é supercultivado e supervalorizado por nossa própria sociedade. Os autodenominados anti-relativistas querem que nos preocupemos, como se nossas próprias almas dependessem disso, com uma espécie de entropia espiritual, uma morte-em-vida da mente, onde tudo seja tão significativo, logo tão insignificante, quanto tudo o mais: vale tudo; cada um na sua; tu paga pra ver; sei o que quero; lá, tudo bem, mas não aqui; tout comprendre, c'est tout pardonner.

Como já sugeri, o provincianismo de um modo geral é, para mim, a preocupação mais genuína com relação ao que ocorre no mundo. (Embora, até neste caso, a coisa possa ser exagerada: "tanto faz você dar de cara no chão", diz a moral admirável de uma estória de Thurber, "como inclinar-se exageradamente para trás"). Parece-me altamente fantasiosa a imagem de uma multidão de leitores de antropologia circulando por ai num estado de espírito tão cosmopolita a ponto de não ter opiniões sobre o que seja ou não verdadeiro, ou bom, ou belo. Pode haver por ai alguns niilistas autênticos, ao longo da Rodeo Drive ou em torno da Times Square, mas duvido que muitos deles tenham ficado assim em virtude de um excesso de sensibilidade às exigências de outras culturas; e pelo menos a maioria das pessoas que encontro, que leio ou que leio a respeito, e até eu mesmo, estamos todos profundamente comprometidos com uma coisa ou outra, geralmente paroquial. "É o olho da infância que tem medo do retrato do diabo"; o anti-relativismo forjou em grande medida a ansiedade de que ele vive.

 

II

Dirão que, sem dúvida, estou exagerando. Que certamente os anti-relativistas, seguros no conhecimento de que sacudir cabaças não faz trovejar e de que comer gente é errado, não podem ser tão suscetíveis. Pois então, ouçam William Gass (1981, p. 53-54), romancista, filósofo, afetado, e observador deslumbrado da maneira de ser dos antropólogos:

 

"Apesar dos antropólogos, costumávamos todos chamá-los de `nativos' aqueles pequenos povos, distantes, habitando florestas e ilhas , e acabamos por reconhecer a pretensão não-científica que havia nisso. Até nossas publicações mais respeitáveis podiam mostrá-los nus, sem que isso fosse ofensivo, porque seus seios pendentes ou pontudos eram tão inumanos para nós quanto tetas de vaca. Em pouco tempo recuperamos os sentidos e fizemos com que se vestissem. Chegamos a desconfiar de nossos próprios pontos de vista, de nossas certezas locais, e aceitamos o relativismo, conquanto ele seja uma das prostitutas mais sarnentas; e fomos adiante, endossando uma simpática igualdade entre culturas, cada qual cumprindo sua tarefa de aglutinar, alimentar o convívio e estruturar uma determinada sociedade. Um grande senso de superioridade foi um dos fardos do homem branco que, uma vez aliviado desse peso, substituiu-o por um igualmente pesado sentimento de culpa.

"Assim como não poderíamos esperar de um cirurgião que dissesse algo do tipo `Morreu e já foi tarde!', também de um antropólogo não poderíamos esperar que, ao afastar-se de uma cultura que viesse estudando, como quem se livra de roupas de trabalho, exclamasse: `Que droga de modo de vida!' Porque, mesmo que os nativos fossem muito pobres, cobertos de pó e de feridas, mesmo que tivessem sido pesadamente pisoteados até ficarem achatados como a relva numa trilha, mesmo que estivessem rapidamente desaparecendo; ainda assim o observador poderia notar a freqüência com que sorriam, ou quão raramente suas crianças brigavam, ou como eram serenos. Podemos invejar as maneiras pacíficas dos Zunis e o `coração feliz' dos Navaho:

"É surpreendente o quanto nos sentíamos apaziguados por achar que havia alguma funcionalidade nos tabus alimentares, na infibulação, na clitoridectomia; e, se ainda nos sentíamos moralmente melindrados pelos sacrifícios humanos ou pela caça-de-cabeças, é claro que isso se devia a estarmos ainda limitados num estreito ponto de vista europeu moderno e a não termos nenhuma simpatia (por esses costumes), não (os) entendendo, nem podendo entende(-los). Ainda assim, quando encontrávamos, em tribos litorâneas indolentes e veranis, certos adolescentes aos quais era permitido trepar sem tabus, nos perguntávamos se isso os tornava capazes de evitar as tensões vividas pela nossa própria juventude e, no íntimo, desejávamos que não.

"Alguns antropólogos desamarraram de qualquer ancoradouro aquela perspectiva moral tão sagrada para Eliot e Arnold e Emerson (a ciência e a arte também ficam à deriva na correnteza do Vir-a-Ser), chamando de `fundamentalismo' qualquer crença num conhecimento objetivo, como se esta fosse a mesma coisa que um literalismo bíblico obscurantista; e argumentando pela total mutabilidade do homem e pela completa sociologia daquilo que, sob tais circunstâncias, não poderia mais ser considerado como conhecimento, mas apenas como doxa, `opinião'."

 

Esta visão febril sobre o "ponto de vista antropológico", surgida de uma névoa de argumentos caricaturais antes de mais nada mal-apanhados (Gass vê Mary Douglas como uma espécie de cética, e a sátira de Benedict, mais mordaz que a dele, passou-lhe inteiramente desapercebida), deixa-nos com um bocado de coisas a responder. Todavia, mesmo do interior da profissão, os ataques dificilmente poderiam ser considerados menos graves, embora expressos com menos originalidade, como convém a uma ciência respeitável. I. C. Jarvie (1983, p. 45-46) observa que o relativismo ("a posição segundo a qual toda avaliação é uma avaliação relativa a um ou outro padrão determinado, e os padrões derivam das culturas")

 

"tem estas conseqüências objetáveis, a saber: limitando a avaliação crítica das realizações humanas, ele nos desarma, nos desumaniza, nos deixa incapazes de entrar em interação comunicativa; ou seja, incapazes de exercer uma crítica que atravesse as culturas ou as subcultura; em última análise, o relativismo não deixa espaço para nenhuma crítica ... Atrás do relativismo, assoma o niilismo"

 

Apesar do "atrás", isso soa mais como "na frente", como um espantalho e um guizo de leprosos. Certamente nenhum de nós, vestidos e no perfeito uso de nossas faculdades mentais, se apressará a adotar uma perspectiva que nos desumanize a ponto de tornar-nos incapazes de comunicação com qualquer pessoa. As alturas a que pode aspirar este tipo de coisa (do gênero "cuidado com a prostituta sarnenta que pode castrar seus poderes críticos") são, para dar um último exemplo, sugeridas pelo livro recente e feroz de Paul Johnson (1983), Modern Times (Tempos Modernos), que trata da história do mundo desde 1917 e se inicia com um capítulo intitulado "Um Mundo Relativista" (a resenha de Hugh Thomas, publicada em 1983 no Times Literary Supplement, foi intitulada mais apropriadamente como: "O Inferno do Relativismo") O livro considera como resultados de algo chamado "a heresia relativista" todos os desastres contemporâneos: Lenin e Hitler, Amin, Bokassa, Sukarno, Mao, Nasser e Hammarskjöld, o Estruturalismo, o New Deal, o holocausto, ambas as guerras mundiais, 1968, a inflação, o shintomilitarismo, a OPEP, e a independência da índia. "Um grande trio de imaginativos intelectuais alemães", Nietzsche, Marx e Freud (com o poderoso auxílio de Frazer ─ uma contribuição nossa) destruíram moralmente o século XIX, como Einstein o destruiu cognitivamente ao banir o movimento absoluto e Joyce o fez no plano estético ao banir a narrativa absoluta:

 

"Marx descreveu um mundo no qual a dinâmica central era o interesse econômico. Para Freud, o principal impulso era o sexual... Nietzsche, o terceiro do trio, era também um ateu... (e) viu (a morte de Deus) como... um acontecimento histórico que teria dramáticas conseqüências... Entre as raças avançadas, o declínio e, finalmente, o colapso do impulso religioso deixaria um imenso vácuo. A história dos tempos modernos é em grande medida a história de como esse vácuo foi preenchido. Nietzsche percebeu corretamente que o candidato mais promissor para ocupar esse espaço seria o que denominou `A Vontade de Poder'... A ideologia secular ocuparia o lugar da crença religiosa. Os que, antes, haviam engrossado as fileiras do clero totalitário, tornar-se-iam políticos totalitários... O fim da velha ordem, com o mundo a vagar num universo relativista, foi uma convocação para o surgimento desses estadistas gangsters. E eles não demoraram a aparecer." (Johnson, 1983, p. 48)

 

Depois disso, talvez não haja muito mais a, ser dito, exceto, possivelmente, o que diz George Stocking (1982, p. 176), resumindo outros autores: "o relativismo cultural, que sustentara o ataque contra o racismo, (pode) ser visto como uma espécie de neo-racismo que. justifica o status tecno-econômico atrasado dos povos antes colonizados." Ou ainda o que diz Lionel Tiger (Tiger & Sepher, 1975, p. 16), resumindo a si próprio: "o argumento feminista (da `desnecessidade social ... das leis instituídas pelo patriarcado') reflete, o relativismo cultural que por muito tempo caracterizou aquelas ciências sociais que se recusaram a situar o comportamento humano nos processos biológicos." Tolerância insensata, intolerância insensata; promiscuidade ideológica, monomania ideológica; hipocrisia igualitária, simplismo igualitário ─ tudo decorre da mesma enfermidade. Assim como a Previdência Social, a Mídia, a Burguesia ou os Círculos Dominantes, o Relativismo Cultural causa tudo o que é ruim.

Mesmo considerando seu tipo todo particular de provincianismo, os antropólogos, exercendo o seu ofício e de alguma forma refletindo sobre ele, dificilmente poderiam deixar de ser afetados pelo rumor da inquietação filosófica que surgia por toda parte à sua volta. (Nem cheguei a mencionar os ardentes debates suscitados pelo reflorescimento da teoria política e moral, pelo aparecimento da crítica literária desconstrucionista, pela difusão de ânimos não fundamentalistas em metafísica e epistemologia, e pela rejeição de práticas "whigs" e do metod-ismo na história da ciência.) Tornou-se cada vez mais intenso o temor de que a nossa ênfase na diferença, na diversidade, na excentricidade, na descontinuidade, na incomensurabilidade, na singularidade, e assim por diante ─ o que Empson (1955, citado para fins opostos em Kluckhohn, 1962, p. 292-293) chamou de "o gigantesco circo antropológico (mantendo) tumultuadamente abertos todos os seus camarotes" ─ pudesse acabar por deixar-nos com pouco mais a dizer além de afirmar que em outros lugares as coisas se dão de outro modo e que a cultura é o que a cultura realiza. E esse temor tornou-se na verdade tão intenso que nos desviou para certas direções sobejamente conhecidas, na tentativa, a meu ver mal concebida, de aplaca-lo.

É possível situar esta última proposição num bom número de lugares no pensamento e na pesquisa antropológicos contemporâneos ─ desde o materialismo estilo "Tudo o que surge precisa convergir", de Harris, até o evolucionismo da "Grande Linha Divisória" (Great Divide), de Popper. ("Nós Temos Ciência... ou Alfabetização, ou Competição Interteórica, ou a Concepção Cartesiana do Conhecimento... mas Eles não têm.") (2). Entretanto, quero concentrar-me aqui em dois pontos de importância central, ou pelo menos em grande voga, atualmente: o esforço para, restabelecer um conceito de "Natureza Humana" independente de contexto, como um bastião contra o relativismo, e igualmente a tentativa de restabelecer um similar daquela outra velha amiga, "A Mente Humana" (*).

Mais uma vez, é preciso ser claro para não ser acusado (sob a suposição de que "se você não acredita no meu Deus, deve acreditar no meu Diabo", a que já me referi) de defender posições absurdas ─ radicais, como o historicismo do tipo `cultura-é-tudo', ou primitivas, como o empiricismo do `o-cérebro-é-um-quadro-negro' ─, posições que ninguém com um pouco de seriedade sustenta ou sustentou, afora, possivelmente, um entusiasmo momentâneo aqui e ali. O que está em questão não é saber se os seres humanos são ou não organismos biológicos com características intrínsecas. Os homens não voam e os pombos não falam. Tampouco está em questão o fato de que, onde quer que os encontremos, os homens apresentam aspectos comuns em seu funcionamento mental. Os Papuas sentem inveja, os Aborígines sonham. A questão é a de saber para que nos servem esses fatos indiscutíveis quando estamos explicando rituais, analisando ecossistemas, interpretando seqüências fósseis ou comparando idiomas.

 

III

Esses dois movimentos no :sentido da restauração de concepções que independam da cultura, relativas ao que é em nós considerado básico, rotulado homo, e essencial, sem o aditivo sapiens, assumem um certo número de formas bastante díspares, que não apresentam muita concordância além do seu sentido geral, naturalista num caso, racionalista no outro. No lado naturalista, estão certamente a sociobiologia e outras orientações hiperadaptacionistas. Mas encontram-se também perspectivas desenvolvidas a partir da psicanálise, da ecologia, da neurologia, da etologia de exposição-e-impressão, bem como alguns tipos de teoria do desenvolvimento e alguns tipos de marxismo. No lado racionalista, situa-se por certo o novo intelectualismo que se associa ao estruturalismo e outras orientações hiperlogicistas. Mas encontram-se também perspectivas que se desenvolvem a partir da lingüística gerativa, da psicologia experimental, da pesquisa sobre inteligência artificial, da microssociologia, assim como alguns tipos de teoria do desenvolvimento e alguns tipos de marxismo. As tentativas de banir o fantasma do relativismo, seja escorregando pela Grande Cadeia do Ser, seja escalando por ela ─ o animal por baixo da pele, uma mente para todas as culturas ─, não constituem um empreendimento único, maciço e coordenado, mas uma multidão imprecisa e imiscível de iniciativas, cada qual insistindo em sua própria causa è na direção que lhe parece adequada. O pecado pode ser um só, mas as salvações são muitas.

É por essa razão, também, que um ataque como o que faço aos esforços para construir conceitos independentes de contexto, como o são o de "Natureza Humana" ou o de "A Mente Humana", a partir de pesquisas biológicas, psicológicas, lingüísticas ou mesmo culturais que tenham tais objetivos (Human Relations Area Files e coisas do gênero), não deve ser compreendido equivocadamente como um ataque atais pesquisas enquanto programas de investigação. É irrelevante que a sociobiologia seja ou não, como penso que é, um programa de pesquisa degenerativo destinado a naufragar em suas próprias confusões, ou que a neurociência seja um programa progressivo (para usar os úteis epítetos de Lakatos, 1976), à beira de alcançar realizações extraordinárias, a que os antropólogos deveriam, prestar atenção. Também não são relevantes as várias gradações de julgamentos, mesclados de talvez sim, talvez não, que se fazem com relação ao estruturalismo, à gramática gerativa, à etologia, à inteligência artificial, à psicanálise, à ecologia, à microssociologia, ao marxismo, à psicologia do desenvolvimento, etc. Não é a validade das ciências, reais ou imaginárias, que está em questão. Pelo menos, não aqui. O que me .preocupa, e deve nos preocupar a todos, são as coordenadas que, com uma determinação crescente e quase evangélica, estão sendo diligentemente estabelecidas com a sua ajuda.

Para entrar nisso tudo pelo lado naturalista, podemos dar uma olhada num texto de discussão geral que é amplamente aceito como uma exposição equilibrada e moderada da posição, embora seja difícil entender por que é assim considerado, pois se trata de um trabalho que consiste, em larga medida, de meras afirmações Trata-se do livro de Mary Midgeley, Beast and Man, The Roots of Human Nature (Animal e Homem, As Raízes da Natureza Humana), de 1978. Naquele tom do Pilgrim's Progress, no estilo "fui cego, mas agora vejo", que se .tornou característico de tais discursos nos anos recentes, Midgeley escreve:

 

"Eu mesma entrei nesta selva, pela primeira vez, alguns anos atrás, saltando o muro do árido jardinzinho que, naquela época, era cultivado sob o nome de Filosofia Moral inglesa. Fiz isso num esforço de pensar sobre a natureza humana e o problema do mal. Os males do mundo, pensava então, são uma realidade. Que o sejam, não é nem uma fantasia que nos tenha sido imposta por nossa, própria cultura, nem uma concepção criada por nossa vontade e imposta ao mundo. Sugestões nesses sentidos constituem má fé. O que abominamos não é passível de escolha. A cultura, sem dúvida, faz variar os detalhes, mas podemos então criticar nossa cultura. Que padrão (observem o singular CG) usamos para isso? Qual é a estrutura subjacente da natureza humana que deve ser completada e expressa pela cultura? Nesse emaranhado de questões, encontrei algumas clareiras sendo trabalhadas por psicólogos freudianos e junguianos, a partir de princípios que pareciam promissores, mas que não eram bastante claros para mim. Outras áreas iam sendo mapeadas por antropólogos que pareciam ter algum interesse em meu problema, mas que se inclinavam... a dizer que, finalmente, o que os seres humanos tinham em comum não era muito importante: que a chave de todos os mistérios está na cultura. Isto me pareceu pouco profundo .... Acabei por chegar numa outra clareira, desta vez uma expansão das fronteiras da zoologia tradicional, feita por estudiosos (Lorenz, Timbergen, Eibes-Eibesfeldt, Desmond Morris) interessados nas naturezas de outras espécies. Eles haviam trabalhado bastante sobre a questão do que seria uma tal natureza ─ um trabalho recente (desenvolvido) na tradição de Darwin e, na verdade, de Aristóteles, tratando diretamente de problemas pelos quais este já se interessara, mas que se tornaram prementes hoje em dia" (1978, p. xiv-xv; itálicos no original).

 

Os pressupostos de que está eivada esta declaração de consciência ─ de que as fantasias que nos são impostas por julgamentos culturais (que o pobre não tem valor? que os negros são subumanos? que as mulheres são irracionais?) não são adequadamente sólidas para servir de fundamento ao mal verdadeiro; de que a cultura é uma espécie de cobertura e que o bolo é a biologia; de que não temos escolha sobre o que devemos odiar (patrões? hippies? intelectuais?... relativistas?); de que a diferença é superficial e a semelhança é profunda; de que Lorenz é um camarada sincero e honesto, e Freud um sujeito misterioso ─ talvez possam ser simplesmente deixados de lado, para que sucumbam sob o seu próprio peso. Houve apenas uma troca de jardins. A selva permanece a vários muros de distância.

Mais importante é saber que tipo de jardim é este em que "Darwin se encontra com Aristóteles".Que espécies de abominações vão se tornar não-opcionais? Que tipos de fatos serão não-naturais?

Bem, parece que são as associações de admiração mútua, o sadismo, a, ingratidão, a monotonia, a segregação dos aleijados, entre outras coisas ─ pelo menos quando levadas ao extremo

 

"Entender este ponto [`que o que é natural não é nunca apenas uma condição ou atividade... mas um certo nível dessa condição ou atividade, numa determinada proporção com o resto da vida de alguém'] possibilita sanar uma dificuldade a respeito de conceitos tais como o de natural; dificuldade que fez com que muita gente os considerasse como impossíveis de serem utilizados. Além do seu sentido forte, que recomenda algo, eles têm um sentido fraco, que não o faz. No sentido fraco, o sadismo é natural. Isto significa apenas que ele ocorre; deveríamos reconhecê-lo... Mas, num sentido forte e perfeitamente sensato, podemos chamar o comportamento sádico de não-natural, querendo isto dizer que uma política baseada neste impulso natural, e prolongada através da vida de alguém numa atividade organizada, é, como diz [o bispo] Butler, `contrária à própria constituição da natureza humana.' .. É natural que adultos que consentem, se mordam na cama; não o é que professores molestem crianças para sua própria gratificação sexual. Há algo de errado com essa atividade, que ultrapassa o dano real que ela inflige... Pode-se encontrar exemplos desta coisa errada exemplos de não-naturalidade que não envolvam outras pessoas como vítimas: narcisismo extremo, suicídio, obsessão, incesto, e associações exclusivas de admiração mútua. `Não é uma vida natural', é o que dizemos, querendo significar que se trata de uma vida cujo centro está fora do lugar. Outros exemplos, que envolvem outras pessoas como vítimas, são a agressão redirecionada, a segregação de aleijados, a ingratidão, o espírito de vingança, o parricídio. Todas essas coisas são naturais no sentido de que existem impulsos bem conhecidos conducentes a elas, os quais fazem parte da natureza humana... Mas a agressão redirecionada e coisas do gênero podem ser corretamente chamadas de não-naturais quando pensamos em natureza num sentido mais pleno, não apenas como um conjunto de partes, mas como um todo organizado. Elas são partes que arruinarão a forma desse todo, se em qualquer sentido lhes for permitido tomar conta dele" (Midgeley, 1978, p. 79-80; itálicos no original) (3).

 

À parte o fato de legitimar um dos mais vulgarizados sofismas do debate intelectual contemporâneo, ao afirmar a forma forte de um argumento e defender sua forma fraca (o sadismo é natural, desde que você não morda forte demais), este joguinho de malabarismo conceitual (natural pode ser não-natural quando pensamos em natureza "no sentido mais pleno") expõe a tese básica de todos esses argumentos preocupados com A Natureza Humana: a, virtude (tanto cognitiva como estética ou moral) está para o vício assim como o ajustamento está para a desordem, a normalidade para a anormalidade, o bem-estar para a doença. A tarefa para o homem, tanto para seus pulmões como para sua tireóide, é funcionar bem. Segregar aleijados pode ser perigoso para sua saúde.

Ou, como diz Stephen Salkever (1983, p. 210), cientista político e seguidor de Midgeley:

 

"Talvez o modelo ou análogo mais desenvolvido para uma ciência social funcionalista seja o fornecido pela medicina. Para o médico, as características físicas de um organismo individual tornam-se inteligíveis à luz de uma concepção básica dos problemas que confrontam este sistema físico autodirigido e à luz de uma noção geral do estado de saúde ou de bom funcionamento do organismo em relação àqueles problemas. Entender um paciente é entendê-lo, ou entende-la, como mais ou menos saudável em relação a algum padrão estável e objetivo de bem-estar físico, padrão que os gregos chamavam aretè. Esta palavra é hoje traduzida habitualmente por `virtude', mas, na filosofia política de Platão e de Aristóteles, ela se refere simplesmente à excelência característica ou definitiva do objeto de qualquer análise funcional."

 

Mais uma vez, em praticamente qualquer parte da antropologia dos dias de hoje é possível encontrar um exemplo da volta dessa disposição mental do tipo "tudo se resume a ... " (genes, ser da espécie, arquitetura cerebral, constituição psico-sexual, etc.). De quase qualquer árvore que vocês sacudam, é possível que caia um altruísta egoísta ou um estruturalista biogenético.

Mas acho melhor, ou pelo menos mais sincero, tomar como exemplo algo que não seja um alvo fácil ou não se mostre um artefato que se destrói por si mesmo. Assim, deixem-me examinar brevemente as concepções; especialmente as mais recentes, de um de nossos etnógrafos mais experientes, que é também um teórico influente, além de formidável polemista: Melford Spiro. Seria possível encontrar casos mais puros, menos nuançados e menos circunspectos, e portanto melhores para impressionar vocês. Mas, no caso de Spiro, pelo menos não estamos lidando com um fenômeno marginal ─ um Morris ou um Ardrey, facilmente descartáveis como entusiastas ou vulgarizadores ─, mas com uma figura maior, situada no centro da disciplina ou muito perto dele.

As mais importantes incursões recentes de Spiro pelas, profundezas da antropologia Homo sua redescoberta do romance familiar freudiano, primeiro em seu próprio material sobre os kibutz e, depois, no de Malinowski sobre os trobriandeses ─ são bem conhecidas e, arrisco-me a dizer, tão ou tão pouco convincentes para seus leitores quanto o é em geral a teoria psicanalítica de corte mais ortodoxo. Todavia, minha preocupação com isso é menor do que com o anti-relativismo vulgar que ele desenvolveu a partir disso. Para se ter uma idéia, parece bastante adequado seu artigo "Culture and Human Nature" (Cultura e Natureza Humana), de 1978, no qual Spiro resume seu próprio avanço das confusões passadas para as luzes do presente. Nesse artigo, ele capta uma disposição e uma tendência muito mais amplamente disseminadas do que a sua já batida perspectiva teórica, que já não é mais de vanguarda.

O artigo pertence a um gênero que, como já mencionei, é bastante proeminente na literatura anti-relativista em geral, o do "quando eu era pequenino falava como criança, mas agora que sou grande, deixei de lado essas infantilidades". (Na verdade, seu texto poderia ter tido um título mais adequado, como o que um antropólogo que trabalha na Califórnia ─ parece que o relativismo representa um perigo claro e presente por aqueles lados ─ deu ao registro de sua liberação: "Confissões de Um Ex-Relativista Cultural" (4).

Spiro começa sua apologia com a admissão de que, quando veio para a antropologia, no inicio da década de 40, estava pré-condicionado, por uma formação marxista e por demasiados cursos em filosofia britânica, para adotar uma concepção radicalmente ambientalista do homem, concepção que assumia uma visão da mente como uma tábula rasa, uma visão social-determinista do comportamento e uma visão relativista-cultural da, bem... da cultura. Em seguida, faz um relato da história de seu trabalho de campo como uma parábola moderna, uma narrativa didática de como veio não somente a abandonar essas idéias, mas substituí-las pelos seus opostos. Em Ifaluk, ele descobriu que um povo que demonstrava muito pouca agressividade social podia, ainda assim; ser atormentado por sentimentos de hostilidade. Em Israel, ele descobriu que crianças "criadas no sistema totalmente comunitário e cooperativo" do Kibutz, e socializadas para serem meigas, amorosas e não-competitivas, apesar disso ressentiam as tentativas de fazer com que compartilhassem as coisas, tornando-se resistentes e hostis quando obrigadas a isso. E na Birmânia, ele descobriu que a crença na impermanência da existência sensível, no nirvana budista e na doutrina do desapego, não resultou na diminuição do interesse pelas materialidades imediatas da vida cotidiana.

 

"Em resumo, (meus trabalhos de campo) convenceram-me de que muitas disposições motivacionais são culturalmente invariantes (assim como) também (o são) muitas orientações cognitivas. Estas disposições e orientações invariantes derivam... de constantes culturais e biológicas pan-humanas, e elas compreendem aquela natureza humana universal que, seguindo uma opinião antropológica herdada, eu rejeitara anteriormente como (se se tratasse de) mais uma distorção etnocêntrica." (Spiro, 1978, p. 349-350)

 

Restaria a verificar se o retrato dos povos da Micronésia ao Oriente Médio, que Spiro traçou como o de moralistas fervorosos buscando tortuosamente prazeres hedonísticos, seria suficiente para eliminar a suspeita de que a sua concepção de natureza humana universal permanece presa a alguma distorção etnocêntrica. Não resta dúvida, contudo, pois ele é muito explícito a respeito, sobre que tipos de idéias, produtos nocivos de um relativismo pernicioso, esse recurso a um funcionalismo médico objetiva curar em nós:

 

"(O) conceito de relativismo cultural... foi convocado para combater as noções racistas em geral, e a noção de mentalidade primitiva em particular... (Mas) o relativismo cultural também foi utilizado, pelo menos por alguns antropólogos, para perpetuar um tipo de racismo às avessas. Isto é, foi usado como um poderoso instrumento de crítica cultural, com a conseqüente derrogação da cultura ocidental e da mentalidade por ela produzida. Esposando a filosofia do primitivismo ... a imagem do homem primitivo foi usada... como veículo para empreender buscas utópicas pessoais e/ou como um fulcro para expressar descontentamento pessoal com o homem e a sociedade ocidentais: As estratégias adotadas tomaram várias formas, das quais as que se seguem são bastante representativas. (1) Tentativas de abolir a propriedade privada; ou a desigualdade, ou a agressão nas sociedades ocidentais têm uma probabilidade razoavelmente realista de alcançar sucesso, já que tais situações podem ser encontradas em muitas sociedades primitivas. (2) Em comparação com pelo menos alguns primitivos, o homem ocidental é singularmente competitivo, belicoso, intolerante aos desvios, sexista, e assim por.diante. (3) A paranóia não é necessariamente uma doença, porque o pensamento paranóico está institucionalizado em certas sociedades primitivas; o homossexualismo não é desviante porque os homossexuais são os guias culturais de algumas sociedades primitivas; a monogamia não é viável porque a poligamia é a forma de casamento mais freqüente nas sociedades primitivas." (Spiro, 1978, p. 336)

 

Além de acrescentar mais algumas abominações não-opcionais a uma lista que promete ser infinita, o lance realmente crítico em meio a toda essa lengalenga sobre "racismo às avessas", "buscas utópicas" e "filosofia do primitivismo", é a introdução da idéia de "desvio", concebida como um afastamento de uma norma inerente, tal um batimento cardíaco arrítmico, não como uma curiosidade estatística, tipo poliandria fraterna. Pois é através desta idéia, Amiga do Legislador, que se faz a transição de Midgeley entre o natural natural (agressão, desigualdade) e o natural não-natural (paranóia, homossexualidade). Uma vez introduzido esse nariz de camelo, a tenda ─ na verdade todo o tumultuado circo gritando por todos os camarotes ─ está em sérios apuros.

Até que ponto está em apuros talvez se possa ver mais claramente pelo texto de Robert Edgerton (1978) que acompanha o de Spiro no mesmo volume, "The Study of Deviance, Marginal Man or Everyman?" (O Estudo do Desvio, Homem Marginal ou Homem Comum?). Depois de uma resenha útil, embora eclética, dos estudos do desvio em antropologia, psicologia e sociologia, na qual se incluem também seus interessantes trabalhos sobre retardados americanos e transsexuais africanos, Edgerton chega também, um tanto subitamente na verdade ─ como num acender de lâmpada ─, à conclusão de que o que é necessário para tornar verdadeiramente produtiva a pesquisa sobre o desvio é uma concepção de natureza humana que independa de contexto ─ uma concepção em que "os potenciais de comportamento geneticamente codificados que todos compartilhamos" sejam vistos como "subjacentes à (nossa universal) propensão ao desvio". O "instinto" do homem para a auto-preservação, seu mecanismo de combate-e-fuga e sua intolerância ao tédio são os exemplos oferecidos; e, num argumento que eu, na minha inocência, imaginava houvesse desaparecido da antropologia juntamente com o evemerismo e a promiscuidade primitiva, é sugerido que, se tudo correr bem no que respeita ao avanço da ciência, com o tempo poderemos estar em condições de julgar não apenas indivíduos, mas sociedades inteiras como desviantes, inadequadas, fracassadas, não-naturais:

 

"Mais importante ainda é a nossa incapacidade para testar qualquer proposição sobre a adequação relativa de uma sociedade. Nossa tradição relativista em antropologia vem cedendo muito lentamente à idéia de que possa existir algo como uma sociedade desviante, (uma sociedade) que seja contrária à natureza humana... No entanto, a idéia de uma sociedade desviante é central para a tradição da alienação em sociologia` e noutros campos, representando um desafio para a teoria antropológica. Por sabermos tão pouco sobre a natureza humana... não podemos dizer se, e muito menos como, uma sociedade qualquer fracassou... Não obstante, uma olhadela superficial em qualquer matéria de jornal sobre taxas crescentes de homicídios, suicídios, estupros e outros crimes violentos nas cidades, deveria bastar para sugerir que a questão é relevante não só para a teoria, mas para os problemas da sobrevivência no mundo moderno." (Edgerton, 1978, p. 470)

 

Com isso, fecha-se o círculo; a porta bate. O medo do relativismo, aumentado a cada volta como uma obsessão mesmérica, levou a uma posição em que a diversidade cultural, no espaço e no tempo, reduz-se a uma série de expressões, algumas .saudáveis e outras não, de uma realidade subjacente estabelecida, a natureza essencial do homem, reduzindo-se a antropologia, nessa perspectiva, ao esforço de enxergar, através da névoa de tais expressões, á, substância dessa realidade. Um conceito generalizador, esquemático e ávido por conteúdos, moldável a qualquer forma que apareça ─ wilsoniana, lorenziana, freudiana; marxiana, benthamiana, aristotélica ("uma das características, centrais da Natureza Humana", um gênio anônimo teria observado, "é um judiciário separado") ─, transforma-se na base sobre a qual passa a repousar definitivamente a compreensão da conduta humana, do homicídio, do suicídio, do estupro.. da derrogação da cultura ocidental. Alguns deuses de algumas máquinas custam talvez bem mais do que valem.

 

IV

Sobre aquela outra invocação mágica, "A Mente Humana", levantada como uma cruz protetora contra o Drácula relativista, posso ser um pouco mais sucinto, pois o padrão geral, se não o detalhe substantivo, é quase exatamente o mesmo. Há o mesmo esforço para desenvolver uma linguagem privilegiada de explicação "real" ou "verdadeira" ("o vocabulário próprio da natureza", como disse Richard Rorty (1983; cf. Rorty, 1979) ao atacar essa noção como uma fantasia cientificista); e o mesmo desacordo generalizado sobre qual seria exatamente essa linguagem: a de Shannon? a de Saussure? a de Piaget? Há a mesma, tendência para ver a diversidade como o superficial e a universalidade como o profundo. E há ainda o mesmo desejo de representar as interpretações feitas não como construções aproximadas de seus objetos ─ sociedades, culturas, línguas ─, num esforço para de alguma forma compreendê-los, mas como a essência mesma de tais objetos imposta ao nosso pensamento.

Há também diferenças, por certo. O retorno da noção de Natureza Humana como uma idéia reguladora tem sido estimulado principalmente por avanços ocorridos na genética e na teoria evolucionista; o da noção de Mente Humana, pelos que se verificaram na lingüística, na informática e na psicologia cognitiva. A tendência da primeira dessas noções é a de ver o relativismo moral como a fonte de todos os nossos males; a da segunda é a de atribuir a culpa ao relativismo conceptual. E a predileção pelos tropos e imagens do discurso terapêutico (saúde e doença, normal e anormal, função e disfunção), de um dos lados, é contrabalançada, do outro, pela propensão aos tropos e imagens do discurso epistemológico (conhecimento e opinião, fato e ilusão, verdade e falsidade). Mas essas diferenças quase não importam diante do impulso comum para a explicação última, como se assim se chegasse .à Ciência. Amarrar suas teorias em alguma coisa chamada A Estrutura da Razão é um modo tão eficaz de isolá-las da história e da cultura como o é o fundamentá-las em algo chamado A Constituição do Homem.

No que diz respeito à antropologia como tal, no entanto, há outra diferença, mais ou menos derivada dessas, que, embora seja também (desculpem a expressão) mais relativa do que radical, atua no sentido de levar os dois tipos de discussão em direções um tanto divergentes, contrárias até. Ou seja: enquanto o caminho da Natureza Humana conduz ao retorno de um de nossos conceitos clássicos ─ o de "desvio social" ─ ao centro das atenções, o caminho da Mente Humana conduz ao retorno de outro ─ o de "pensamento primitivo" (sauvage, primário, pré-letrado). As ansiedades anti-relativistas que, num discurso, se concentram em torno dos enigmas da conduta, concentram-se, no outro, em torno dos enigmas da crença.

Mais exatamente, concentram-se em torno das crenças "irracionais" (ou "místicas", "pré-lógicas", "afetivas" ou, particularmente nos dias de hoje, "não-cognitivas"). Enquanto foram práticas desalentadoras ─ como a caça de cabeças, o escravismo, o sistema de castas, o enfaixamento para atrofia dos pés, etc. ─ que levaram antropólogos a tomar o partido da velha e majestosa bandeira da Natureza Humana, na impressão de que só assim seria justificável assumir um distanciamento moral em relação a elas, foram conceitos inverossímeis ─ como a substância da feitiçaria, os animais tutelares, os reis deuses e (antecipando um exemplo a que me referirei adiante) dragões de coração dourado e chifre na nuca, etc. ─ que os levaram a aderir à bandeira da Mente Humana, na °impressão de que só assim seria defensável adotar um ceticismo empírico com respeito a eles. O que é tão inquietante não é tanto a maneira como a outra metade se comporta, mas ─ o que de fato é muito pior ─ o modo como ela pensa.

Também é bastante grande o número dessas perspectivas racionalistas ou neo-racionalistas em antropologia, com variados graus de pureza, potência (cogency), coerência e popularidade, além de não inteiramente congruentes ou consonantes entre si. Algumas delas invocam regularidades formais, geralmente chamadas de universais cognitivos; algumas, regularidades de desenvolvimento, geralmente chamadas de etapas cognitivas; algumas, regularidades operacionais, geralmente chamadas de processos cognitivos. Algumas são estruturalistas, algumas junguianas, algumas piagetianas, algumas estão atentas às últimas novidades do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts), dos.Laboratórios Bell ou da Fundação Carnegie-Mellon. Todas buscam algo seguro: a Realidade acessível, a Razão salva do naufrágio.

O que elas têm em comum, portanto, não é meramente um interesse em nosso funcionamento mental. Do mesmo modo que o interesse em nossa constituição biológica, o interesse em nosso funcionamento mental é indubitavelmente Uma Coisa Boa, tanto em si mesma quanto para a análise da cultura. E se, naquilo que começa a ser chamado algo esperançosamente de "ciências cognitivas", nem todas as supostas descobertas se confirmam como descobertas genuínas, algumas sem dúvida o serão, e alterarão significativamente não apenas o modo como pensamos sobre como pensamos, mas a maneira como pensamos sobre aquilo que pensamos. O que, além disso, elas compartilham, de Lévi-Strauss a Rodney Needham (o que já é uma distância), e que não é tão incontestavelmente benéfico, é uma visão fundamentalista da Mente. Isto é, uma concepção em que ela é vista ─ como, em outras abordagens reducionistas da teoria social, são vistos "Os Meios de Produção" ou "A Estrutura Social", ou "A Troca", ou "A Energia", ou "A Cultura", ou "O Símbolo" ─ como o termo soberano de explicação, a luz que brilha na escuridão relativista.

Que é o medo do relativismo, o anti-herói de mil faces, o que proporciona uma boa parte do ímpeto ao neo-racionalismo, como ao neonaturalismo, e serve como sua justificação maior, é algo que pode ser convenientemente observado a partir da excelente coletânea de exortações anti-relativistas ─ que contém também um desengonçado texto relativista maravilhosamente escolhido para conduzir os demais ao nível de ultraje requerido ─ recentemente organizada por Martin Hollis e Steven Lukes (1982), sob o título de Rationality and Relativism (Racionalidade e Relativismo) (5). Produto do chamado "debate sobre a racionalidade" (ver Wilson, 1970; cf. Hanson, 1981), que as estórias de oráculo de Evans-Pritchard, entre outras coisas, parecem ter provocado nas ciências sociais e numa parte considerável da filosofia britânicas ("Haverá verdades absolutas que possam ser gradativamente aproximadas, ao longo do tempo, através de processos racionais? Ou serão igualmente válidos todos os modos e sistemas de pensamento, se vistos de dentro de seus próprios quadros de referência internamente consistentes?" (6), o livro trata do que aproximadamente poderia ser chamado de o cenário da Razão em Perigo! "As tentações do relativismo são perenes e pervasivas", diz a abertura da introdução dos organizadores, como um chamado cromwelliano às barricadas: "(O) florido caminho para o relativismo ... está forrado de argumentos plausíveis" (Hollis & Lukes, 1982, p. 1).

Os três antropólogos na coletânea respondem todos com entusiasmo ao chamado para nos salvar de nós mesmos. Ernest Gellner (1982) argumenta que o fato de que outros povos não acreditem no que acreditamos nós, Filhos de Galileu, a respeito de como é construída a realidade, não é um argumento que implique em que a nossa visão não seja a correta, a "Única Visão Verdadeira". E, especialmente na medida em que. outros, até os himalaios, lhe parecem estar chegando a isso, ele acredita ser praticamente certo que a nossa seja a visão correta. Robin Horton (1982) argumenta no sentido de um "cerne cognitivo comum", uma "teoria primária" culturalmente universal, apenas trivialmente variante, do mundo como preenchido por objetos médios, duradouros e inter-relacionados em termos de um conceito de causalidade direta (a "pushputl" concept of causality), de cinco dicotomias espaciais (esquerda / direita, em cima / em baixo, etc.), de uma tricotomia temporal (antes / ao mesmo tempo / depois) e de duas distinções categóricas (humano / não-humano, o eu / o outro), cerne cognitivo que assegura que "o Relativismo está fadado a fracassar, ao passo que o Universalismo pode, algum dia, vir a ser bem sucedido" (Horton, 1982, p. 260).

Mas é Dan Sperber (1982), mais seguro que os outros dois de sua base racionalista ( a visão computacional das representações mentais desenvolvida por Jerry Fodor), e com uma única Visão Verdadeira própria ("não existe algo que possa ser chamado um fato não-literal"), que desenvolve o ataque mais vigoroso O relativismo, embora incrivelmente prejudicial (tornando a "etnografia.. inexplicável, e a psicologia imensamente difícil"), não constitui nem mesmo uma posição indefensável, pois na verdade ele absolutamente não merece ser considerado uma posição. Suas idéias são semi-idéias, suas crenças semi-crenças, suas proposições semi-proposições. A exemplo do dragão de coração dourado e chifre na nuca que um de seus velhos informantes Dorze inocentemente, ou talvez nem tanto, convidou-o a caçar e matar em sua companhia (desconfiado de fatos não-literais, Sperber declinou do convite), tais "slogans relativistas", como "povos de culturas diferentes vivem em mundos diferentes", não são de fato crenças factuais. São representações incompletas e indeterminadas, tapa-buracos mentais, que ocorrem quando nós, menos circunspectos que os computadores, tentamos processar mais informação do que o permitido por nossas capacidades conceptuais inerentes. Úteis, às vezes, para ocupar lugar enquanto desenvolvemos nossos poderes cognitivos, ocasionalmente um passatempo divertido e até mesmo, vez por outra, "fontes de sugestão num pensamento criativo (genuíno)", esses dragões acadêmicos, de coração maleável e sem chifre algum, não são assuntos que mesmo seus entusiastas tenham por verdadeiros, pois estes na verdade não entendem, nem podem entender, o que eles significam. São sinalizações ─ mais ou menos elaboradas ─ de um tipo em última análise conformista, pseudo-profundo, enganador, "hermenêutico-psicodélico", que serve aos seus próprios interesses:

 

"A melhor evidência contra o relativismo é ... a própria atividade dos antropólogos, ao passo que a melhor evidência a favor do relativismo (está) nos textos dos antropólogos.. Recapitulando (em seus textos) a sua experiência, os antropólogos transformam em lacunas insondáveis as fronteiras culturais superficiais e irregulares que eles não tinham achado tão difícil atravessar (no trabalho de campo), protegendo assim seu próprio sentido, de identidade e oferecendo a sua audiência leiga e filosófica exatamente aquilo que ela quer ouvir." (Sperber, 1982, p. 180)

 

Em suma, seja na forma do mais trivial senso comum (deixemos de lado o exame do fígado e os oráculos do veneno, pois afinal entendemos mais ou menos do que se trata), do ecumenismo mais sonhador (apesar das variações nos esquemas explicativos mais desenvolvidos, magia ou genética, no fundo todos têm mais ou menos a mesma concepção de como é o mundo), ou do cientificismo mais agressivo (há coisas que são realmente idéias, tais como "atitudes proposicionais" e "crenças representacionais", e há coisas que apenas parecem idéias, tais como "há um dragão ali adiante" e "povos de culturas diferentes vivem em mundos diferentes"), a ressurreição da Mente Humana como o ponto estacionário do mundo em movimento desmonta a ameaça do relativismo cultural ao desarmar a força da diversidade cultural. Do mesmo modo que no caso da "Natureza Humana", a desconstrução da alteridade é o preço da verdade. Talvez, mas não é o que sugeririam nem a história da antropologia, nem os materiais que ela reuniu, nem os ideais que a animaram; nem é costume apenas de relativistas dizer o que suas audiências gostariam de ouvir. Há certos dragões ─ "tigers in red weather" (tigres em tempo vermelho) ─ que merecem ser observados de perto.

 

V

Observar dragões, não domestica-los ou abominá-los, nem afoga-los em tonéis de teoria, é tudo o que a antropologia tem sido. Pelo menos, é assim que a entendo, sem ser niilista nem subjetivista, e tendo, como vocês podem ver, algumas opiniões fortes sobre o que é real e o que não o é, o que é recomendável e o que não o é, o que é razoável e o que não o é. Temos procurado, com algum sucesso, manter o mundo em desequilíbrio; puxando tapetes, virando mesas, soltando fogos. Tranqüilizar tem sido a tarefa de outros; a nossa tem sido a de inquietar Australopitecos, Tricksters, Cliques, Megalitos ─ apregoamos o anômalo, traficamos o estranho. Mercadores da perplexidade.

Sem dúvida, às vezes fomos longe demais nessa direção e transformamos idiossincrasias em enigmas, enigmas em mistérios, e mistérios em impostura. Mas essa afeição pelo que não se encaixa e pelo que não cabe, a realidade fora do lugar, ligou-nos ao tema principal da história cultural dos "Tempos Modernos". Pois essa história tem consistido, na verdade, em um campo de pensamento após o outro ter de descobrir como continuar, sem as certezas iniciais. O fato bruto, o direito natural, a verdade necessária, a beleza transcendente, a autoridade imanente, a revelação singular e até mesmo o eu-aqui-enfrentando-o-mundo-lá-fora sofreram um ataque tão pesado a ponto de parecerem hoje em dia simplicidades perdidas de um passado menos exigente. Mas a ciência; o direito, a filosofia, a arte, a teoria política, a religião e as insistências teimosas do senso comum, apesar de tudo, deram um jeito de continuar. Não foi necessário reviver as simplicidades.

Penso que o que faz a ciência mover-se é exatamente a determinação de não ficar agarrado àquilo que um dia funcionou bastante bem para trazer-nos até onde estamos-, mas que agora já não funciona tão bem e nos coloca em impasses recorrentes. Enquanto não existia nada em volta que fosse muito mais rápido do que um corredor de maratonas, a física de Aristóteles funcionou bastante bem, não obstante os paradoxos dos estóicos. Enquanto a instrumentação técnica não nos levava muito além do mundo dado pelos sentidos, a mecânica de Newton funcionou bastante bem, não obstante as perplexidades da ação-à-distância. Não foi o relativismo ─ o Sexo, a Dialética e A Morte de Deus ─ que acabou com o movimento absoluto, com o espaço euclidiano e com a causação universal. Foram fenômenos extravagantes, pacotes de ondas e saltos orbitais, em face dos quais eles foram impotentes. Tampouco foi o relativismo ─ Subjetivismo Hermenêutico Psicodélico ─ que acabou (até onde isso ocorreu) com o cogito cartesiano, a concepção Whig da história, e "o ponto de vista moral tão sagrado para Eliot e Arnold e Emerson". Foram realidades excêntricas ─ casamentos predefinidos desde a infância e pinturas não-ilusionistas ─ que perturbaram suas categorias.

A antropologia teve, em nossos dias, um papel de vanguarda no deixar para trás os velhos triunfos que se transformaram em complacências e os avanços pioneiros de outrora que vieram a se transformar em bloqueios no presente. Fomos os primeiros a insistir sobre uma série de coisas: que o mundo não está dividido entre o religioso e o supersticioso; que existem esculturas em florestas e pinturas em desertos; que é possível a ordem política sem o poder centralizado, e a justiça normalizada sem regras codificadas; que as normas da razão não foram fixadas na Grécia nem a evolução da moralidade consumada na Inglaterra. E o que é mais importante: fomos os primeiros a insistir em que vemos as vidas dos outros através de lentes por nós lapidadas, e que os outros vêem as nossas vidas através de suas próprias lentes, cuja lapidação foi feita por eles. Não é surpreendente que isso tenha levado algumas pessoas a pensar que o céu estivesse desabando, que estivéssemos sendo dominados pelo solipsismo, e que estivessem desaparecendo o intelecto, a capacidade de julgar e até mesmo a mera possibilidade de comunicação. O reposicionamento de horizontes e o descentramento de perspectivas já tiveram esse efeito antes. Os tolos estão sempre de acordo com a opinião dominante (The Bellarmines you have always with you); e, como alguém observou a propósito dos polinésios, é preciso um certo tipo de cabeça para perder de vista a terra navegando num catamarã.

Mas não é outra coisa 'o que temos feito, do melhor modo ,que pudemos e na medida do que fomos capazes. E penso que seria uma grande pena se, agora que as distâncias que estabelecemos e os alhures que localizamos estão começando a beliscar, a mudar o nosso sentido do sentido e a nossa percepção da percepção, retornássemos às velhas canções e a estórias mais antigas ainda, na esperança de que de alguma forma apenas o superficial necessite alteração e de que não havemos de despencar da beirada do mundo. A objeção ao anti-relativismo não vem do fato de que ele rejeita um enfoque do conhecimento do tipo tudo-depende-de-como-você-vê ou uma abordagem à moralidade do estilo quando-em-Roma-como-os-romanos, mas do fato de que ele imagina que a única maneira de derrotá-los é o colocar a moralidade além da cultura e o conhecimento além de ambas. Isso de falar que as coisas devem e precisam ser de um. determinado modo é algo que já não é mais possível. Se queríamos verdades domésticas, deveríamos ter ficado em casa.

 

Traduzido do inglês por André Villalobos.

A publicação em português foi autorizada pelo autor e pela American Anthropologist que publicou a versão original sob o titulo "Distinguished Lecture: Anti Anti-Relativism", em seu Vol. 86, n." 2, junho 1984.

 

 

Notas biográficas

 

1 ─ Ver Todorov (1983, p. 113-114), para uma discussão geral sobre o relativismo de Montaigne, numa perspectiva similar à minha.

 

2 ─ Sobre materialismo, ver Harris (1968); sobre "ciência" e "O Grande Fosso"; Gellner (1979); sobre "alfabetização", Goody (1977); sobre "competição interteórica", Horton (1982); sobre "a concepção cartesiana do conhecimento", Lukes (1982 ), cf. Williams (1978). Quanto a Popper, de quem vêm todas essas bênçãos, ver Popper (1963, 1972).

 

* Nota da Revisão: provavelmente a tradução mais usual para "The Human Mind" seja "O Espírito Humano". Não obstante, optou-se "A Mente Humana" porque, em alguns contextos do artigo, a palavra "espírito", por suas outras conotações em português, poderia conduzir a uma compreensão inadequada.

 

3 ─ O exemplo da "monotonia" ocorre numa nota de pé-de-página ("A própria monotonia é um extremo anormal").

 

4 ─ Baggish (1983). Para um outro discurso perturbado sobre "o problema do relativismo", vindo daquela parte do mundo, ver Hatch (1983): "Exponho o que acredito ser um ponto de vista razoável para preencher a lacuna parcial deixada pelo relativismo ético que, nos anos 1980, parece ser mais freqüentemente repudiado do que defendido" (p. 12).

 

5 ─ Há também alguns textos mais moderados e nuançados, escritos por Ian Hacking, Charles Taylor e Steyen Lukes, mas apenas o primeiro deles parece livre de alarmes imaginários.

 

6 ─ As citações entre parênteses são da sobrecapa do livro, a qual, pelo menos dessa vez, reflete seu conteúdo.

 

Bibliografia

 

BAGGISH, H. (1983), "Confessions of a Former Cultural Relativist", in E. Angeloni (ed.), Anthropology 83/84, Guilford, Conn., Dushkin Publishing.

 

BOOTH, W. (1983), "A New Strategy for Establishing a Truly Democratic Criticism". Daedalus, 112/193-214.

 

EDGERTON, R. (1978), "The Study of Deviance, Marginal Man or Everyman", in G. Spindler (ed.), The Making o f Psychological Anthropology, Berkeley, University of California Press.

 

EMPSON, W. (1955), Collected Poems, New York.. Harcourt, Brace and World.

 

GASS, W. (1981), "Culture, Self, and Style". Syracuse Scholar, 2/54-68.

 

GELLNER, E. (1979), Spectacles and Predicaments. Cambridge, England, Cambridge University Press.

 

____. (1982 ), "Relativism and Universals", in M. Hollis & S. Lukes (eds.), Rationality and Relativism, Cambridge, Mass., MIT Press.

 

GOODY, J. (1977 ), The Domestication o f the Savage Mind. Cambridge, England, Cambridge University Press.

 

HANSON, F. A. (1981), "Anthropologie und die Rationalitdtsdebatte", in H. P. Duerr (ed.), Der Wissenschaftler únd das Irrationale, vol. I, Frankfurt am Main, Syndikat.

 

HARRIS, M. (1968), The Rise of Anthropological Theory. New York, Crowell.

 

HATCH, E. (1983), Culture and Morality: The Relativity o f Values in Anthropology. New York, Columbia University Press.

 

HERODOTUS. (1859-61), History of Herodotus. Livro 3. Cap. 38. New York, Appleton.

 

HOLLIS, M. & LUKES, S. (1982), Rationality and Relativism. Cambridge, Mass, MIT Press.

 

HORTON, R. (1982 ), "Tradution and Modernity Revisited", in M. Hollis & S. Lukes (eds.) Rationality and Relativism, Cambridge, Mass., MIT Press.

 

JARVIE, I. C. (1983), "Rationalism and Relativism". The British Journal of Sociology, 34/44-60.

 

JOHNSON, P. (1983), Modern Times, The World from the Twenties to the Eighties, New York, Harper & Row.

 

KLUCKHOHN, C. (1962 ), "Education, Values and Anthropological Relativity", in Clyde Kluckhohn. (ed.) Culture and Behavior, New York, Free. Press.

 

LADD, J. (1982), "The Poverty of Absolutism", in Edward Westermack: Essays on His Life and Works. Acta Philosophica Fennica (Helsinki) 34/158-180.

 

LAKATOS, I. (1976 ), The Methodology of Scientific Research. Cambridge, England, Cambridge University Press.

 

LUKES, S. (1982), "Relativism in. Its Place", in M. Hollis & S. Lukes (eds.) Rationality and Retativism, Cambridge, Mass., MIT Press.

 

MIDGELEY, M. (1978), Beast and Man: The Roots of Human Nature. Ithaca, N. Y., Cornell University

Press. I

 

MONTAIGNE (1978), Les Essais de Michel de Montaigne. P. Villey (ed.), Paris, Universitaires de France.

 

POPPER, K. (1963), Conjectures and Refutations: The Growth o f Scientific Knowledge. London, Routledge and Kogan Paul.

 

____. (1972), Objective Knowledge: An Evolutionary Approach. Oxford, Clarendon Press.

 

RABINOW, P. (1983), "Humanism as Nihilism: The Bracketing of Truth and Seriousness in American Cultural Anthropology" in N. Haan, R. M. Bellah, P. Rabinow & W. M. Sullivan (eds.), Social Science as Moral Inquiry. New York, Columbia University Press.

 

RORTY, R. (1979) Philosophy and the Mirror of Nature. Princeton, Princeton University Press.

 

____. (1983 ), "Method and Morality", in N. Haan, R. M. Bellah, P. Rabinow & W. M. Sullivan (eds.) Social Science as Moral Inquiry, New York, Columbia University Press.

 

SALKEVER, S. (1983), "Beyond Interpretation! Human Agency and the Slovenly Wilderness", in N. Haan, R. M. Bellah, P Rabinow & W. M. Sullivan (eds.) Social Science as Moral Inquiry, New York, Columbia University Press.

 

SCHEFFLER, I. (1967), Science and Subjectivity. In dianapolis, Ind., Bobbs-Merrill.

 

SPERBER, D. (1982), "Apparently Irrational Beliefs", in M. Hollis & S. Lukes (eds.), Rationality and Relativism, Cambridge, Mass., MIT Press.

 

SPIRO, M. (1978), "Culture and Human- Nature", in G. Spindler (ed.). The Making of Psychological Anthropology, Berkeley, University of California Press.

 

STOCKING, G. W., Jr. (1982), "Afterword: A View from the Center". Ethnos, 47/172-186.

 

THOMAS, H. (1983), "The Inferno of Relativism". Times Literary Supplement, jul. 8, p. 718.

 

TIGER, L. & SEPHER, J. (1975), Women in the Kibbutz. New York, Harcourt Brace Jovanovich (Harvest).

 

TODOROV, T. (1983), "Montaigne, Essays in Reading", in Gérard Defaux (ed.) Yale French Studies, vol. 64, New Haven, Conn., Yale University Press.

 

WILLIAMS, B. (1978), Descartes: The Project of Pure Enquiry. Harmondsworth, England, Penguin.

 

WILSON, B. (1970), Rationality. Oxford, Blacwell.